O futuro dos protótipos e carros-conceitos

Muitos veículos são criados pelas montadoras para participar de festivais ou Salões. Mas o que acontece com eles depois?

  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. O futuro dos protótipos e carros-conceitos
André Deliberato
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Essa é uma questão mundial. Muita gente deve se perguntar o que acontece com aqueles famosos protótipos e/ou carros-conceitos que são apresentados em feiras, festivais e salões automotivos. Afinal, para onde vão aqueles modelos desenvolvidos justamente para determinados eventos?

Antes vamos entender o que exatamente é um veículo conceitual. Na prática, trata-se de um modelo experimental em que a indústria aplica novos conceitos ou tecnologias para exibição e análise do público. Ele pode vir a dar origem a um carro de produção em série ou apenas ser utilizado como "exercício de estilo", uma vez que sua fabricação depende especificamente das reações do público.

Na maioria das vezes, os carros conceituais caracterizam-se pelo desenho mais arrojado e uso de materiais pouco comuns, ou seja, aspectos que não são observados em modelos do dia a dia. Também podem apresentar novos motores e tecnologias. Como exemplos, vamos citar Fiat Uno Cabrio, VW Saveiro Rocket e Chevrolet Onix Track Day.

Nissan Vmotion 2.0 Concept
icon photo
Legenda: Carros conceitos têm aspecto futurista e emprego de materiais que não vemos em veículos comuns
Crédito: Divulgação

Ok, mas e depois da apresentação, o que acontece com eles? Existem basicamente três caminhos. São eles:

1. Coleção

Uma das possibilidades é o fabricante guardar o carro para outras apresentações e também para sua própria coleção. Muitos desses protótipos são arquivados naqueles acervos secretos, que muita gente acredita que existe... Sem nunca ter visto.

A maioria dos carros-conceitos tem esse fim. Volkswagen Saveiro Rocket e Taigun Concept, Fiat Uno Cabrio (com motor 1.4 turbo do Punto T-Jet) e Chevrolet Onix Track Day (que usava o antigo propulsor 1.8 Ecotec do Cruze), os exemplos citados acima, terminaram dessa maneira: todos estão devidamente protegidos no valioso QG de seu respectivo fabricante.

Fiat Argo Sting
icon photo
Legenda: Fiat Argo Sting, mostrado no Salão do Automóvel de 2018, está guardado na fábrica da marca em Betim (MG)
Crédito: André Deliberato

2. Desmonte

Às vezes pode acontecer de o protótipo ser desmontado pelo simples fato de não haver espaço para guardá-lo. Normalmente, acontece quando o conceito é apenas um mock-up - ou seja, um molde e escala real da carroceria inteira, com pintura e rodas, mas sem cabine ou conjunto mecânico.

Apesar disso, a desmontagem demora a acontecer. Vamos imaginar o conceito Fastback, da Fiat, que dará origem a um SUV baseado na picape Toro. Ele foi apresentado no Salão de São Paulo de 2018 e visto no ano passado em uma apresentação em Betim (MG). Mas não tem cabine ou motorização. Com o passar dos anos - e o surgimento de sua versão de produção -, seu destino pode ser o ferro-velho.

3. Venda

Por fim, é muito raro, mas também pode rolar de o carro conceitual ser vendido - em alguns casos eles vão parar nas mãos de executivos da própria montadora. Mas também podem cair na garagem do consumidor final. Para isso, o protótipo precisa estar mais perto da fase de produção do que da etapa de estudos - como o Territory "Concept" mostrado pela Ford em 2018, que já era um carro de série.

No documento, eles levam o nome do automóvel que já existe. Normalmente, são edições especiais criadas justamente para determinada feira ou salão: são os modelos com sobrenomes diferentes que entram nessa lista, como Nissan Kicks Pets e Hyundai Creta Diamond, por exemplo.

icon photo
Legenda: Ford Territory foi mostrado como "Concept" no Salão de São Paulo 2018, mas era um carro de produção pronto para rodar
Crédito: Ricardo Rollo / WM1

Comentários