Volkswagen Fusca: uma geração e várias mudanças

Criado por Ferdinand Porsche a pedido de Adolf Hitler, o Fusca superou seu histórico e virou uma lenda automotiva

  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. Volkswagen Fusca: uma geração e várias mudanças
Fabio Perrotta Junior
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

O Fusca tem como pais pessoas completamente distintas. Seu criador é um dos gênios da indústria automobilística, um tal de Ferdinand Porsche. Por outro lado, seu projeto foi supervisionado por Adolf Hitler, um dos ditadores mais cruéis e desprezíveis da história.

Na galeria dos carros mais icônicos da indústria automotiva, o simpático Fusquinha conseguiu vencer sua origem e entrou para a história como um dos automóveis mais vendidos do mundo.

Com apenas uma geração até o fim da sua produção, o Volkswagen Fusca original adotou diferentes nomes ao redor do mundo. Vendido no Brasil desde 1950, apesar de apenas uma carroceria, teve diversas características diferentes. Levando isso em consideração, o WM1 selecionou as maiores mudanças e listou abaixo.

1950

icon photo
Legenda: Volkswagen Fusca com janela bipartida é um dos mais raros do mundo

Ainda chamado de VW Sedan, o primeiro lote de Fuscas que chegaram ao Brasil tinham as janelas traseiras bipartidas, conhecidas como Split Window. Essa característica estava no projeto inicial do carro e é bastante rara no Brasil e no mundo.

1953

icon photo
Legenda: Os primeiros Fuscas saindo da fábrica no Brasil. Entusiastas afirmam que os carros ainda eram importados
Crédito: Divulgação

A primeira mudança na carroceria chegou três anos depois. Saiu de cena a janela traseira em duas seções para dar lugar a um vidro oval. Também são raríssimos os modelos equipados com este tipo de vidro na parte de trás do Fusca.

1959

Mais uma mudança na janela. Sai o modelo oval e entra no lugar o vidro retangular, que permaneceu até o fim de linha do Volkswagen Fusca original.

icon photo
Legenda: Em 1959 e 1962, o Fusca mudou o vidro traseiro e as lanternas, respectivamente
Crédito: Reprodução

1962

Desta vez, nada de mudança no vidro. A alteração na traseira ficou por conta do formato das lanternas, que ficaram maiores e em padrão bicolor.

1965

icon photo
Legenda: Propaganda da época mostra uma pessoa e uma criança desfilando no teto-solar, algo ilegal hoje em dia
Crédito: Reprodução

Para aumentar o espaço para bagagens no compartimento dianteiro, a Volkswagen alterou o formato do tanque, colocando uma peça mais baixa que a antiga. Em 1965 também foi lançada a versão com teto solar, chamada maldosamente de "Cornowagen", que, depois de apelido tão pouco nobre, não fez muito sucesso...

1967

No lugar do antigo motor 1.200 com 36 cv, entra em cena um 1.300, com 10 cv a mais de potência, totalizando 46 cv.

1968

Neste ano, as mudanças foram elétricas. O Fusca deixou de ter sistema de 6 volts e passou a ter um sistema mais parrudo, com 12v.

1970

icon photo
Legenda: Entre 1970 e 1971, a VW mudou os para-choques do Fusca e lançou uma versão mais potente e luxuosa
Crédito: Reprodução

O ano de 1970 mudou a característica do besouro em dois atos. No primeiro semestre, os carros chamados de Primeira Série mantinham o desenho do Volkswagen Fusca antigo, com para-choque mais estiloso. Depois do primeiro semestre, o carro ganhou uma lâmina também cromada, mas um pouco mais simples.

1971

icon photo
Legenda: Fusca 1500 ganhou o apelido de Fuscão por conta do motor mais potente
Crédito: Fábio perrotta

No ano seguinte chegava às lojas a versão mais requintada do Fusca. Chamada de 1.500 devido ao motor maior e mais potente, com 52 cv, o modelo tinha acabamento que imitava madeira do tipo Jacarandá para se diferenciar das outras versões. Além disso, a lanterna traseira trazia luz de ré.

1973

icon photo
Legenda: Faróis com lente reta começaram a ser adotados no Volkswagen Fusca em 1973
Crédito: Divulgação

Desta vez, a mudança é na dianteira. Saem de cena os faróis arredondados e entram no lugar lentes retas para atender as legislações da época.

1974

icon photo
Legenda: Volkswagen Fusca 1600S tinha motor de 65 cv
Crédito: Reprodução

Neste ano, a Volkswagen lançou o Fusca 'Bizorrão'. O modelo era uma versão "esportiva" e tinha motor 1.600 com 65 cv e visual diferenciado. Apesar do apelo esportivo, o modelo ficou por pouco tempo no mercado. Neste ano, o volante mais antigo, chamado de cálice, também deixa de ser utilizado pela Volkswagen. No lugar, entra o modelo bumerangue.

1979

icon photo
Legenda: Lanterna maior virou apelido para o Fusca, que começou a ser chamado de Fafá em referência à famosa cantora
Crédito: Reprodução

Depois de muito tempo sem mudanças na traseira, enfim uma novidade. As lanternas cresceram e o Fusca ganhou o apelido de Fafá. As lanternas, maiores, foram comparadas a um atributo físico da cantora brasileira Fafá de Belém.

1980

icon photo
Legenda: Modelo mudou o combustível para aproveitar o valor mais barato do álcool
Crédito: Reprodução

Depois de duas Crises do Petróleo, e o programa brasileiro de incentivo ao uso do etanol (Proálcool), o Fusca ganha sua versão movida pelo combustível vegetal.

1983

Depois de anos sendo chamado popularmente de Fusca, o modelo enfim tem sua certidão corrigida. Antes, o documento vinha especificado apenas como VW Sedan.

1986

icon photo
Legenda: O ano de 1986 ficou marcado pelo primeiro fim na produção do Fusca

Mesmo sendo um dos 15 carros mais vendidos do Brasil na época, o Fusca foi retirado de linha pela VW. A marca alegava que precisava de espaço nas fábricas para outros modelos mais novos, como o Santana e o Voyage.

1993

icon photo
Legenda: Itamar Franco na reinaguração da linha de montagem do Fusca
Crédito: Divulgação

Seis anos após o fim da sua produção, o Fusca ressurgiu como uma Fênix. Por sugestão de Itamar Franco, então presidente do Brasil, a Volkswagen voltou a produzir o modelo com algumas alterações em relação ao carro que saiu de linha em 1986 - mas com o mesmo design externo.

1996

icon photo
Legenda: No último período de produção, o Fusca tinha para-choques na cor do carro
Crédito: Divulgação

Durou pouco a volta do Fusca. Com uma limitação grande de projeto e com concorrentes cada vez mais modernos, o modelo foi ficando de lado e deixou definitivamente a linha de produção da Volks no Brasil. O carro, porém continuou sendo produzido no México até 2003 - onde era chamado de Vocho.

Comentários