Saiba como identificar combustível adulterado

Os carros costumam dar indícios de problemas com combustível ruim, mas vale também se atentar aos números da bomba

  1. Home
  2. Graxa
  3. Saiba como identificar combustível adulterado
Renan Rodrigues
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Ninguém quer passar pela experiência de abastecer o carro com combustível adulterado. Afinal, além do prejuízo com o combustível, que vai embora mais rápido do que deveria, há sempre o risco de isso gerar problemas no motor do carro.

Mas, calma: seu carro dá sinais sobre a qualidade do combustível. Por esse motivo, separamos quais são esses sinais e como evitar problemas para sua caranga no futuro.

Consumo

Dicas de economia de combustível no Renault Kwid para reduzir o consumo
icon photo
Legenda: Fique de olho na média de consumo
Crédito: Divulgação

Como citado acima, o primeiro sinal é o aumento de consumo. Sempre que abastecer o carro, zere o computador de bordo e observe a média de km/l. Se não tiver computador de bordo, anote a quilometragem atual e a quantidade de combustível comprada. Na próxima parada, em um posto diferente, repita o procedimento.

Se a rotina for igual e o consumo aumentar, desconfie. No caso da gasolina, a fraude mais comum é ter mais do que os 27% permitidos de etanol na composição - o álcool tem menos eficiência.

Vazamentos e engasgos

Álcool ou gasolina. Qual combustível vale a pena?
icon photo
Legenda: Solventes na gasolina podem provocar ressecamento das borrachas
Crédito: iStock

Outra artimanha frequente é o uso de solventes na gasolina. Os mais comuns são os solventes de borracha, que podem danificar as vedações e quebrar outras peças. Isso acarretaria em vazamentos pelo ressecamento prematuro das mangueiras.

Outro sinal causado por solventes é o engasgo nas marchas mais baixas e a demora na resposta do acelerador. Isso acontece pelas impurezas, que podem provocar entupimento dos filtros ou fazer a bomba de combustível perder vazão.

Etanol

Quando falamos de adulteração do etanol, o mais comum é adicionar mais água do que o permitido. O limite, segundo a lei, é de 7%. Água saindo do escarpamento é normal, mas se a quantidade for muito grande ou durar mais que 15 minutos após ligar o carro, é sinal que o etanol pode estar adulterado.

Diesel e GNV

Fiat Grand Siena GNV
icon photo
Legenda: No caso do GNV, a fraude pode estar na hora de encher os cilindros com gás veicular
Crédito: Divulgação

No caso do diesel, atualmente, a alteração mais comum é a adição de biodiesel em excesso. A lei indica que não pode passar dos 10%. O excesso de biodiesel oxida o combustível mais rápido e acumula sujeira nos filtros. Em casos mais graves, é possível que o motor pare de funcionar.

Já o GNV sofre de um golpe um pouco mais caro e sofisticado. Não há adulteração do combustível em si, mas alguns casos relatados mostram que os postos estão colocando menos gás do que o indicado na bomba, como acontece com outros combustíveis muitas vezes.

Comentários