5 carros que salvaram marcas da falência

Modelos surgiram em momentos complicados de suas empresas e se tornaram sucessos de vendas

  1. Home
  2. Últimas notícias
  3. 5 carros que salvaram marcas da falência
Renan Rodrigues
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Se atualmente as marcas automotivas estão em crise devido à pandemia e à queda nas vendas, em outros momentos alguns fabricantes tiveram crises mais severas e quase fecharam as portas. Isso aconteceu com quase todas as empresas em algum momento na história e por diversos fatores.

No entanto, todas elas tiveram um “salvador da pátria”, que chegou com vendas altas par promover um resgate da operação da marca. Separamos cinco casos em que um modelo foi responsável por alavancar as contas dos fabricantes. Confira abaixo.

Ford EcoSport

Ford Ecosport 2004
icon photo
Legenda: Primeira geração do EcoSport, feita sobre a base do Fiesta, foi uma da precursoras do segmento de SUVs compactos
Crédito: Divulgação

É bem verdade que a lavoura da Ford começou a ser salva pelo Fiesta, no entanto, em 2002 chegava o primeiro SUV compacto do mercado nacional. O sucesso foi gigante, o modelo foi líder por mais de uma década e seguiu sozinho nesse período.

A primeira a marca a reagir foi a Renault com o Duster, já em 2011. O desenvolvimento do Eco ainda foi marcado por diversas brigas com a matriz, que insistia em ter tração 4x4 (que se mostrou um fracasso em lançamento posterior), antes da opção automática.

Chevrolet Agile

adios-chevrolet-agile.jpg
icon photo
Legenda: Último Agile produzido na Argentina
Crédito: adios-chevrolet-agile.jpg

A fama não é boa, mas o Agile surgiu em um momento conturbado. A matriz americana passava por uma crise absurda, com possibilidade de falência. O conceito do modelo, como já mostramos aqui, era de um SUV, mas sem o investimento necessário, foi transformado em hatch.

Apesar das críticas, o modelo teve quase 350 mil unidades vendidas durante sua vida e proporcionou a tranquilidade para trabalhar a família Onix posteriormente - o hatch lidera o mercado brasileiro há cinco anos.

Fiat Punto

Fiat Grande Punto
icon photo
Legenda: Fiat Punto foi a salvação da matriz da marca italiana
Crédito: Divulgação

No Brasil a situação era confortável. A filial nacional dava até mais dinheiro que a matriz, que tinha vendas em baixa e atravessava forte crise, especialmente na Europa. O hatch foi lançado em 2005 graças ao dinheiro vindo de um acordo não honrado com a Chevrolet, que teve de pagar US$ 1,55 bilhão à Fiat.

No entanto, o Punto já estava em desenvolvimento com plataforma de Corsa e motores da Família I, também de origem GM. O Grand Punto, como foi chamado na Europa, foi o salvador e ficou em linha por 13 anos. Até hoje os fãs sentem falta e a empresa italiana cogita lançar um sucessor com plataforma de Opel Corsa novamente, mas dessa vez sob gestão da Peugeot.

Porsche Cayenne

icon photo
Legenda: A despeito da insatisfação dos puristas da marca, Cayenne impulsionou vendas da Porsche

É bem verdade que as coisas já estavam melhores para os alemães desde o lançamento do Boxster, em 1996, mas ainda estava longe de uma tranquilidade financeira. No entanto, para desespero dos puristas, um SUV salvou a operação.

O Cayenne foi lançado em 2002 e logo se tornou o Porsche mais vendido. Atualmente, perde para o Macan em vendas (outro SUV), mas segue importante. Seu sucesso fez marcas premium abrirem os olhos para esse segmento de utilitários de luxo.

Range Rover Evoque

icon photo
Legenda: Evoque ainda é o responsável pela referência de design da marca
Crédito: Land Rover range rover evoque

As marcas premium estavam em baixa. A Ford iniciou os anos 2000 querendo se livrar das suas marcas mais caras. A Land Rover foi parar na mão dos indianos da Tata em 2008. Em 2010 chegava o Evoque. O sucesso foi imediato. Tornou a marca mais acessível e até hoje inspira o visual dos demais modelos. Também serviu de alerta para outras marcas trabalharem com SUVs premium menores.

Comentários