Entenda o futuro da Lifan no Brasil

Marca chinesa sai da associação de importadoras, mas empresa jura que não está encerrando operações no país

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Entenda o futuro da Lifan no Brasil
André Deliberato
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

O ano começa ainda mais confuso para a Lifan. Rumores dão conta que a chinesa estaria deixando de operar no Brasi, a marca deixou a Abeifa - que reúne as importadoras - e WM1 tentou contato com a sede da montadora, sem sucesso. Enfim, um executivo garantiu que a Lifan continua no país e confirmou novos carros.

É fato que a fábrica no Uruguai, que montava os SUVs vendidos no país, está parada desde o primeiro semestre de 2019. Mas as especulações sobre o fim da Lifan no país ganharam força após a Abeifa confirmar a saída da marca dos seus quadros.

Aviso prévio?

O presidente próprio da associação, José Luiz Gandini, falou a respeito durante a coletiva de balanço de 2019, esta semana. "A empresa está parada. Não tenho detalhes, mas já vi muita gente de lá procurando emprego", revelou.

Vale lembrar que a marca chegou a prometer novos carros para o Brasil no Salão do Automóvel de 2018 - entre eles, o X70. Mas passou 2019 inteiro sem qualquer novidade. O último lançamento por aqui foi o SUV X80, em junho de 2018.

Lifan X80
icon photo
Legenda: Último lançamento da Lifan no Brasil foi o SUV X80, em meados de 2018
Crédito: Divulgação

Odisseia

Na sede da empresa, ninguém atendeu aos nossos telefonemas durante toda a quarta (8/1). WM1 também entrou em contato com concessionárias da marca - segundo o site da empresa, são cerca de 20 lojas. Em São Paulo, nas duas revendas da capital, a chamada não foi atendida. O mesmo ocorreu em unidades de Sorocaba (SP) e Brasília.

Se passando por clientes, conseguimos contato com lojas em duas capitais: Florianópolis e Salvador. Em ambas, os funcionários informaram que o SUV X80 é vendido só sob encomenda, com previsão de entrega de 20 a 30 dias e apenas na cor preta, por R$ 140 mil. Os mesmos vendedores disseram que o X60 não está sendo feito.

Em outra concessionária, em Campo Grande, havia X80 para pronta-entrega. E também disponibilidade de encomendar o X60, porém, apenas com câmbio manual.

Lifan diz que fica

No fim do dia conseguimos contato com um executivo da LIfan, que está de férias. Henrique Ohori, gerente comercial da marca, garantiu que as operações da empresa seguem normalmente no país, e  ainda confirmou o lançamento de novos produtos e a parceria com a Brilliance na fábrica do Uruguai.

Entre os novos carros, dois SUVs mostrados no Salão de SP 2018. Um é a antiga promessa X70, para ficar posicionado entre o X60 e o X80. O outro é o MyWay - também chamado de X7 -, utilitário com capacidade para sete passageiros e motor 1.8 a gasolina de 132 cv.

Lifan Myway
icon photo
Legenda: Lifan MyWay: segundo executivo da marca, SUV de sete lugares continua nos planos para o Brasil
Crédito: Divulgação

"De fato, fatores macro ambientais atrasaram o lançamento de novos produtos, como a guerra econômica entre China e Estados Unidos e a alta do dólar no país. Mas continuam nos planos o lançamento do X70 e do MyWay. A Lifan não parou a operação e muito menos sairá do país", assegura Ohori.

Parceria da China

O acordo com a Brilliance está de pé, segundo o gerente comercial.  "Recentemente a Lifan estabeleceu uma parceria junto a Brilliance para produção de veículos desta outra montadora chinesa em nossa planta no Uruguai", explica o executivo, que prometeu mais detalhes sobre a operação conjunta em breve.

Segundo informações de bastidores, a montadora vai assumir a unidade uruguaia e tomar as rédeas no Mercosul - depois de tentar transferir a linha de montagem para outro país da região. Lá, a gigante chinesa voltaria a montar o novo X70 e o X80, como também outros modelos da própria Brilliance.

Sobre a saída da Abeifa, Ohori afirma que foi uma questão estratégica. "A informação de que a Lifan saiu do quadro de associados da Abeifa procede. Isso já faz um bom tempo e foi simplesmente uma opção estratégica da marca, que analisou a relação custo benefício em fazer parte da associação", justifica.

Comentários