Culpa no cartório

Atraso nas definições do diesel de 50 ppm adia mudanças sobre o combustível para 2012
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Culpa no cartório
Fernando Calmon
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

É reconhecido e faz parte da cultura brasileira deixar para depois decisões relevantes ou que mudem de forma importante uma situação errada. Um dos melhores exemplos está no imbróglio na especificação do diesel para atender à sexta fase do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores Proconve, prevista para vigorar a partir de 1 de janeiro próximo. Previsivelmente, mudanças profundas em combustíveis são complicadas. Mais ainda nesse caso porque os motores modificados só aceitam o combustível especificado para preservar o bom funcionamento do catalisador responsável por manter as emissões dentro do preconizado pelo Proconve.

A origem do problema, sem dúvida, centrou-se na Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ANP. Seus técnicos discordavam da Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, de 2002, e a ANP só especificou o combustível com um ano de atraso, comprometendo todo o cronograma de testes de motores e produção do diesel. Aliás, além do teor de enxofre limitado a 50 partes por milhão ppm, outras características do diesel precisavam ser melhoradas. Sem contar o plano de abastecimento que envolveria as distribuidoras de combustível para garantir pelo menos uma bomba com o novo diesel inicialmente nos postos dos principais corredores de tráfego e também em pontos estratégicos, a fim de garantir a capilaridade do transporte rodoviário.

Na realidade essa é a fase mais difícil na história de 22 anos do Proconve porque, pela primeira vez, não apenas os motores precisam ser modificados. Sem mudanças no combustível, nada feito. Mesmo na Europa, a introdução dos redutores catalíticos seletivos em motores diesel foi estressante. Significou um grande esforço de coordenação e, ainda maior, de logística de distribuição do novo diesel e da mandatória solução aquosa de uréia.

Aqui, todos têm sua dose de culpa. A Petrobrás, porque achava ruim a relação custo-benefício do investimento. A indústria, pois só se limitou a cobrar a regulamentação da ANP em fóruns técnicos, sem nenhum poder de pressão política. E o atual Governo Fcaptional, porque adora pressionar erradamente as agências reguladoras quando lhe convém e, dessa vez, se omitiu.

Os ambientalistas orquestraram o alarido de sempre, na hora errada, com enfoque demagógico e sem premissas técnicas. As pressões deveriam ter começado bem antes do prazo fatal para a regulamentação, ou seja, no segundo semestre de 2005. Agora se insurgem contra o adiamento da sexta fase do Proconve. Porém, pouco se mobilizaram para que os programas de manutenção e inspeção de motores diesel saíssem do papel. Trariam reflexos na qualidade do ar mais importantes do que apenas mudar a limitada frota zero-quilômetro de picapes, utilitários, caminhões e ônibus.

Só se salvou, em toda essa confusão, o pragmatismo do Ministério Público Fcaptional. A procuradora Ana Cristina Lins coordenou um Termo de Ajuste de Conduta de todos os envolvidos a fim de que em 2012 a especificação do diesel seja ainda melhor, tanto para a frota rodante como a nova. E promete continuar investigando quem tem “culpa no cartório”. Esses tratem de conseguir bons advogados.

RODA VIVA

ENQUANTO o dólar não se estabilizar, alguns planos de novos modelos estão sendo desacelerados, porém não cancelados. No lançamento no novo Fit, por exemplo, a Honda teve que adiar o anúncio do preço público sugerido até a véspera do início de comercialização. Até o Fiat Bravo, sucessor do Stilo, pode sofrer algum atraso e sair depois de 2009.

SEMINÁRIO Caminho para o Futuro Sustentável, realizado pela AEA, destacou os pneus de baixa resistência à rodagem, apresentada por R. Silva, da Michelin, e a nova espuma para bancos a partir de poliol de soja, aplicada no esportivo Mustang. Em breve também estará no EcoSport, segundo C. Duarte, da Ford.

BOM trabalho de aperfeiçoamento no utilitário 4x4 Troller inclui vantagens práticas: grade dianteira removível, capota rígida mais leve de manusear. Pára-brisa com vidro curvo, bancos melhorados e painel redesenhado somam-se à vocação fora-de-estrada. Pelas incertezas atuais, Ford só anunciará o preço em meados de dezembro.
SANDERO Stepway, apesar de a Renault considerá-lo produto à parte, ainda não tem volume para confirmar a projeção em torno de 15% das vendas totais do modelo. No panorama atual o preço pode atrapalhar. Dinamicamente o carro vai bem no uso urbano em meio a buracos, valetas e lombadas. Na estrada, centro de gravidade alto exige atenção para trajetória em curvas, sem comprometer.

APROVADO pela Câmara dos Deputados, está no Senado projeto de lei que torna obrigatório a utilização da terceira luz de freio em automóveis e veículos de uso misto. Acessório importante para segurança, infelizmente perdeu parte de sua eficácia por causa das discutíveis películas escurecedoras do vidro traseiro. Não é mais possível ver se alguém freia dois ou três veículos à frente.
____________________________________
Fernando Calmon fernando@calmon.jor.br é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no WebMotors, na Gazeta Mercantil e também em uma rede nacional de 60 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site Just Auto Inglaterra.

_______________________________
Leia outras colunas de Fernando Calmon aqui

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors