Mitos só atrapalham

Consumidores ouvem orientações por anos e muitas estão simplesmente erradas
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Mitos só atrapalham
Fernando Calmon
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Desperdiçar dinheiro, em geral, ninguém gosta. Gastar menos ao utilizar um automóvel certamente pode ser prioridade de muitos motoristas. Por isso, é comum circular muitos conselhos e dicas, procurando orientar as pessoas sobre a melhor maneira de economizar no cotidiano e até sugestões para mudanças de atitude. Em função da crise econômica essas preocupações atingem também os EUA, onde os cidadãos não têm essa cultura arraigada, diga-se.

Uma boa iniciativa vem da Ford. A empresa acaba de liberar, em sua sede em Dearborn Michigan, um comunicado à imprensa com o sugestivo título: “Não desperdice dinheiro em conselhos antiquados. Conheça os mitos de longa data.” O texto destaca que os consumidores vão ouvindo orientações por anos e muitas estão simplesmente erradas. E faz um balanço, nos parâmetros de lá: média anual de 20.000 km rodados, carro grande Taurus, gasolina comum a R$ 1,30 e vida útil média do veículo. Pelas contas do fabricante, em 13 anos a economia varia de R$ 1.000,00 a R$ 12.000,00 arredondados. Os números não são muito diferentes daqui, onde a gasolina custa o dobro, mas o consumo do motor é a metade.
Esses mitos também se aplicam ao Brasil, em menor ou maior escala:

Deixar o motor aquecer em marcha lenta nos dias frios. Bastam 10 segundos, tempo de se ajeitar no banco e colocar o cinto.

Utilizar gasolina premium pensando ser melhor para o motor. Só funciona se a taxa de compressão for alta. Consulte o manual.

Abastecer pela manhã gasolina mais fria economiza dinheiro. Os tanques dos postos são subterrâneos, armazenam grandes volumes e a temperatura sobe muito lentamente.

Nas laterais dos pneus está a pressão de inflamento. Este é número máximo suportado; o correto está no manual e em etiquetas. Deixar de calibrar regularmente, além dos riscos e desgaste dos pneus, custa R$ 70,00/ano em gasolina.

Trocar óleo antes do especificado, a cada 5.000 km ou três meses. Vários motores usam óleo sintético, mais caro e eficiente. No Brasil, o tema é menos pacífico. Alguns fabricantes dão trabalho aos motoristas, especificando óleos baratos que exigem ir mais vezes à concessionária. Mas, siga o manual e atente às chamadas condições severas de uso.

Por aqui as coisas são complicadas. Inventou-se uma série de procedimentos de manutenção no intuito de fazer o motorista gastar mais dinheiro. Alguns mitos e lendas vieram do passado, dos tempos do carburador, motores sem recursos modernos, óleos sem aditivação. O combustível é apontado muitas vezes e injustamente como vilão.

Recuse sugestões de operações “preventivas”, sem análise prévia e séria: limpeza de bicos injetores, de sonda lambda e do tanque de combustível, descarbonização do motor, higienização e troca de gás do ar-condicionado, reaperto geral de suspensões e outros componentes, troca de amortecedores e molas por quilometragem definida e alinhamento de suspensão em menos de 10.000 km salvo se a direção puxar para os lados ou queda em buraco.

No entanto, há mito aceito até pelo fabricante. A Toyota, até hoje, recomenda usar gasolina uma vez por ano nos motores flex. Embora 10 milhões de motores só utilizem etanol permanentemente...



RODA VIVA


VOLTA do interesse pelas stations médio-compactas? A oferta é bem limitada. Com o fim da Corolla Fielder, ficaram apenas Mégane Grand Tour líder, 2.500 unidades/ano, Jetta Variant, Peugeot 307 SW e Subaru Outback. A Hyundai acredita que falta oferta. Primeiras unidades importadas da station i30, de surpresa, chegam às lojas nas próximas semanas.

IMPORTAÇÃO do Camaro, feito no Canadá, não será afetada, se o governo brasileiro impuser imposto de importação de 50%. Mas, o médio-grande Malibu fabricado apenas nos EUA e rival direto do Fusion, se tornará inviável. Embora pronto para o lançamento em dois meses, a GM pode desistir, se a retaliação comercial contencioso do algodão for confirmada.

MUDANÇAS externas e internas como o quadro de instrumentos no Fox atingiram os objetivos do fabricante. O modelo resistiu à força do novo Gol todo remodelado e encontrou seu espaço no mercado dentro da linha VW. Câmbio manual automatizado I-Motion também é muito bom: trocas relativamente suaves e relações de câmbio específicas 2ª 3ª e 4ª marchas.


INICIATIVA inteligente da seguradora Porto Seguro. Dá desconto de 5% para quem não for multado durante a vigência anual da apólice. Pode ser apenas ação promocional, mas provavelmente a empresa deve ter providenciado também uma pesquisa apurada, relacionando sinistralidade e disciplina do motorista no trânsito. Porém, há aqueles que só não são multados por sorte...

CORREÇÃO: Porsche 918 Spyder, lançado de surpresa no recente Salão de Genebra, tem, de fato, três motores: além da tradicional unidade a combustão interna há mais dois elétricos, um para o eixo dianteiro e outro para o eixo traseiro. Esse super-híbrido conceitual tem chance de ser produzido, talvez em série especial.
____________________________________
Leia outras colunas de Fernando Calmon aqui

_______________________________
Fernando Calmon fernando@calmon.jor.br é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no WebMotors e em uma rede nacional de 63 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site just-auto Inglaterra.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors