ONU proclama uma década de ação pela segurança no trânsito

Assembléia Geral reconheceu os acidentes de trânsito como problema de saúde global e convocou os chefes de Estado
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. ONU proclama uma década de ação pela segurança no trânsito
Auto Informe
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Conte até seis. Infelizmente, durante a sua contagem uma pessoa morreu ou foi gravemente ferida em um acidente de trânsito em todo o mundo. Uma triste estatística que resulta em cerca de 1,3 milhão de vítimas fatais a cada ano. Os dados alarmantes da Organização Mundial da Saúde OMS e uma campanha da “Make Roads Safe” Torne as Estradas Seguras, em tradução livre, fundação da Fcaptionação Internacional de Automobilismo, fizeram com que a Organização das Nações Unidas ONU proclamasse os próximos dez anos – 2011-2020 – uma Década de Ação pela Segurança Viária em sua Assembléia Geral, realizada em março.

A Década de Ação pela Segurança Viária foi considerada uma grande vitória da “Make Roads Safe”, que tem George Robertson, ex-secretário geral da OTAN Organização do Tratado do Atlântico Norte, como presidente de sua comissão. A organização encabeçou o movimento para levar os acidentes de trânsito à pauta da ONU. Após reunir milhões de assinaturas ao redor do planeta, a organização conseguiu que fosse realizada a Primeira Conferência Interministerial Global sobre o tema, em Moscou, em novembro do ano passado. O documento elaborado na Conferência foi agora aprovado na Assembléia da ONU.

A Resolução aprovada descreve o número de mortos e feridos no trânsito como “um grande problema de saúde pública que, se não for combatido, pode afetar o desenvolvimento sustentável de muitos países”. Principalmente porque nos países de baixa renda acontecem 90% das mortes no trânsito.

Segundo a OMS, US$ 518 bilhões são gastos anualmente com acidentes de trânsito. Desse total US$ 65 bilhões em países de baixa e média renda, entre eles o Brasil. Valor que supera e muito a ajuda financeira para o desenvolvimento dessas nações. As despesas com a violência no trânsito giram entre 1 e 1,5% do Produto Interno Bruto PIB de países como o nosso.

“A comunidade internacional finalmente acordou para a epidemia global de mortes nas estradas. Agora precisamos garantir que as boas intenções dos membros da ONU transformem-se em ações nas estradas mortais dos países em desenvolvimento. O sucesso dessa década será mensurado somente pelo número de vidas que forem salvas”, declarou Lord Robertson.

Classificada por Robertson como uma crise humanitária, a violência no trânsito mata mais crianças entre 5 e 14 anos em todo o mundo do que a AIDS ou Malária, além de ser a principal causa da morte de jovens entre 15 e 29 anos. “Os principais ‘assassinos’ são fáceis de identificar: vias mal projetadas que não separam pedestres e veículos; a falha das autoridades em leis que regulem a velocidade; bebida e direção; a falta do uso do cinto de segurança e de capacetes. Não é uma ciência espacial”, declarou Robertson em artigo publicado no jornal inglês “The Times”.

A Década de Ação pela Segurança Viária traça diversas diretrizes e atitudes para solucionar questões simples como o não uso de capacete por motociclistas, a ausência de faixa de segurança para pedestres, entre outros. De acordo com os especialistas, se as atitudes previstas forem tomadas mais de 5 milhões de vidas poderão ser salvas até 2020.

No Brasil

As tristes estatísticas das mortes no trânsito também incluem o Brasil. Em 2007, 37.407 pessoas morreram vítimas de acidentes de trânsito, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Em 1999 as vítimas não chegavam a 30 mil. Os dados confirmam o temor dos líderes globais de que as mortes em países em desenvolvimento tendem a crescer, se nenhuma atitude for tomada. Motivadas pelo aumento do poder aquisitivo e o consequente crescimento da frota de veículos automotores.

Assim como no resto do planeta, no Brasil as maiores vítimas são pedestres, ciclistas e motociclistas que, juntos, representam mais de 50% das mortes. Apesar do grande número de mortes, diferentemente de países da Comunidade Européia, o Brasil não tem uma meta para a redução dos acidentes e nem uma verba fixada para programas de prevenção, de acordo com relatório da OMS.

Em setembro do ano passado, o CESVI Centro de Experimentação e Segurança Viária Brasil, a ABRAMET Associação Brasileira de Medicina de Tráfego e a ANTP Associação Nacional de Transportes Públicos implantaram o movimento “Chega de Acidentes!” www.chegadeacidentes.com.br propondo um Plano de Segurança Viária.

A implantação de um plano já é prevista no Código de Trânsito Brasileiro, por meio de dois instrumentos: a Política Nacional de Trânsito e o Programa Nacional de Trânsito. A política que contém as diretrizes foi estabelecida pela resolução CONTRAN n.º 166/04. Entretanto, o programa, até agora não foi elaborado. Ou seja, ainda não foram definidas ações coordenadas, com divulgação de estatísticas confiáveis, metas e prazos de redução de vítimas e acidentes.

Além disso, o site traz um instrumento que visa sensibilizar as pessoas: um contador de acidentes desde que o movimento foi implantado em 18 de setembro de 2009. Em 11 de março, o contador estimava 17.885 vítimas fatais e mais de 56.000 vítimas hospitalizadas. Além do prejuízo de mais de R$ 15 bilhões ao país. Mostrando que já passou da hora de agir.

10 fatos sobre segurança viária:

1 – Mais de 1,3 milhão de pessoas morrem por ano em acidentes de trânsito em todo o mundo
2 – Cerca de 50 milhões de pessoas se ferem ou ficam com seqüelas permanentes de acidentes de trânsito em todo o mundo
3 – Metade das vítimas são os usuários mais vulneráveis das vias: pedestres, ciclistas e motociclistas
4 – Acidentes de trânsito custam até 4% do Produto Interno Bruto de muitos países
5 – Quando corretamente utilizados, cintos de segurança podem reduzir o risco de morte em um acidente em 61%
6 – O uso obrigatório de assentos especiais para crianças nos veículos podem reduzir a morte de crianças em 35 %
7 – Capacetes diminuem até 45% os ferimentos fatais ou severos na cabeça
8 – Reforçar leis sobre bebida e direção em todo mundo poderia reduzir em 20% os acidentes relacionados ao álcool
9 – Para 1 km/h reduzido na velocidade média, há uma queda de 2% no número de acidentes
10 – Medidas simples e baratas de engenharia nas vias, como faixas de segurança, podem salvar milhares de vida
* Fonte Organização Mundial da Saúde

_________________

Twitter
_________________

Gosta de motos?

Então veja aqui no WebMotors as ofertas de motos com esse estilo:

Honda CB 600F Hornet

Kasinski Comet 250

Suzuki Bandit N 600

Leia também:

Rodamos com a MV Agusta Brutale 910S

Suzuki B-King 1300: veja como anda a moto do ano de 2008

Ducati Monster 1100, uma big naked italiana

Nova Yamaha YZF-R1 2009 utiliza DNA de MotoGP

Dyna Super Glide Custom, a 1ª grande Harley-Davidson

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors