O Diabo Azul: conheça mais sobre o Corvette ZR-1

Chevrolet mais poderoso já fabricado no mundo chega a 647 cv
  1. Home
  2. Lançamentos
  3. O Diabo Azul: conheça mais sobre o Corvette ZR-1
Frank Markus
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Quando ouviu a pergunta “por que fazer um ZR-1”, o executivo responsável pela linha Corvette, Tom Wallace, não titubeou: “Porque nós podemos. Porque nós temos dentro da General Motors a tecnologia para fazer um supercarro que pode ir contra qualquer outro no mundo”, ele continua, pontuando a idéia com essa ameaça: “Mal posso esperar para colocá-lo lado a lado com qualquer Porsche, e estaremos competindo de igual para igual com Ferrari 599 Fiorano e Lamborghini Murciélago”. Opa, devagar com o andor, Tom. Este é apenas um Corvette vitaminado, certo? Ou você colocou nele um motor V12 instalado entre os eixos sem que o mundo inteiro tivesse percebido?

Uma hora de conversa com o engenheiro-chefe Tadge Juechter revela que este realmente é um Z06 aperfeiçoado com o que a melhor tecnologia disponível no arsenal da GM. O ZR-1 nunca esteve nos planos originais para o C6 a sexta geração do Corvette, mas, numa revisão inicial do programa para o carro, as especificações propostas para o Z06, com chassi de alumínio, partes da carroceria em fibra de carbono e o motor LS7, deixaram o presidente mundial da empresa, Rick Wagoner, tão impressionado que ele teria dito o seguinte: “ Se com US$ 60 mil vocês podem fazer isto, eu me pergunto com o que um Corvette de US$ 100 mil se pareceria”.

Sem nenhuma autorização mais formal do que essa, Juechter lançou um esforço de desenvolvimento chamado “Blue Devil” – uma homenagem à faculdade em que Wagoner se formou, a Duke University.

Eles começaram com dois turbocompressores em nome da eficiência, mas mudaram os sobrealimentadores para compressores mecânicos quando a Eaton apresentou seu novo compressor de quatro lóbulos tipo Roots. Essa unidade amplia a eficiência térmica para quase 76% bem mais do que os 60% obtidos pelos melhores compressores de três lóbulos – quase a eficiência de um turbo, sem o lag tempo que o turbo demora para “encher”.

Para preservar a visibilidade dianteira, o intercooler manda ar do alto do blower para as laterais por meio de blocos separados de resfriamento para cada bancada de cilindros. Havia a intenção de permitir que o blower aparecesse por meio de um capô ressaltado, mas problemas de possível entrada de água levaram à criação da janela de policarbonato no capô.

O motor é baseado em um LS3 modificado, com 6,2-litro de capacidade as paredes do LS7, de 7-litros, são finas demais para suportar a força dos compressores e gera mais de 100 cv/l. As especificações técnicas foram definidas em 647 cv e 819 Nm.

Como compressors adicionam peso, um grande trabalho de redução foi concentrado na dianteira do carro. O pára-choque, os painéis internos e externos do capô, do teto e a coluna C são de fibra de carbono. O ferramental para elas limita a produção do carro a 2.000 unidades por ano.

A fibra de carbono fica exposta no teto e na parte interna do capô. Para impedir que a ação da radiação ultravioleta degrade o material, um aditivo especial, que custa R$ 25 mil o litro, é adicional numa proporção de 3% na fina resina que recobre a fibra e que custa R$ 900 o litro. No total, espera-se que o carro pese 90 mais que um Z06 e que mude a distribuição de peso um pouco para a frente, com 52% do peso ali, contra 48% do peso no eixo traseiro.

Outros desenvolvimentos efetuados pelo departamento de chassi incluem pinças Brembo segurando rotores gigantes de cerâmica desenhados para o Ferrari Enzo e para o FXX a um preço de US$ 105 mil, o ZR-1 será o carro mais barato a oferecer freios de cerâmica. Estamos certos de que o sistema funciona perfeitamente bem quando frio e que não “guincha”.

A Delphi redesenhou os amortecedores de regulagem magnética para que eles consigam lidar com as altas temperaturas geradas pela atividade em pistas de corrida, permitindo que o ZR-1 rode como um cupê e seja melhor de curva que o Z51 e que o Z06.

Será que tudo isso vai funcionar? O ZR-1 passou por toda a bateria de testes de durabilidade de carros de passeio da GM, assim como pelo regime de tortura dos modelos de competição 400 km de autocrossing e uma corrida por 24 horas seguidas, então ele deve aguentar direitinho.

O carro e seus números soam impressionantes e estamos torcendo pelo time norte-americano, mas será que um carro com motor dianteiro pode mesmo fazer um Porsche GT3 ou um Ferrari F430 Scuderia comer poeira em Nürburgring, por exemplo? Mesmo que consiga, será que os endinheirados farão fila para comprar um?

The New York Times Syndicate


Tradução de Gustavo Henrique Ruffo


Gosta de esportivos?

Então veja aqui no WebMotors as melhores ofertas:

Aston Martin

Porsche

Ferrari

Lamborghini

Leia também:

Andamos no Lamborghini Reventón, o mais poderoso de todos

Testando o Nissan GT-R, o maior supercarro japonês

Mercedes-Benz C 63 AMG

Seat Ibiza Sportcoupé

Breckland Beira

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors