Nissan desenvolve versão do Leaf para emergências

Carro-conceito baseado no famoso veículo elétrico é pensado para fazer resgates e suportar desastres naturais

  1. Home
  2. Últimas notícias
  3. Nissan desenvolve versão do Leaf para emergências
Marcus Celestino
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Ser uma fonte de energia móvel capaz de encarar as piores condições e atender aos chamados de emergência após desastres naturais. Este é o objetivo do Re-Leaf, conceito baseado no Leaf de produção, desenvolvido em parceria da Nissan com uma empresa de engenharia do Reino Unido.

O Re-Leaf recebe inúmeras tomadas à prova d'água no exterior. Estas permitem com que aparelhos de 110V a 230V sejam alimentados pela bateria de íons de lítio do veículo. Segundo o fabricante, o modelo tem capacidade de energizar uma casa média por um período de até seis dias.

O veículo conceitual, cujo nome faz referência à palavra relief ("alívio" ou "socorro" na tradução para o português), passou por inúmeras modificações para atender ao seu propósito. Se comparado ao modelo de produção, o conceito teve altura de rodagem aumentada em 7 cm (chega a 22,5 cm).

Nissan Re Leaf (3)
icon photo
Legenda: O Leaf para resgates pode fornecer energia para outros aparelhos importantes em uma operação
Crédito: Divulgação

A Nissan calçou o veículo com pneus todo-terreno e rodas aro 17" e instalou chapa protetora no assoalho. Também removeu os bancos traseiros para abrir espaço para equipamentos essenciais. O Re-Leaf tem, ainda, mesa removível e monitor no porta-malas, além de um kit de comunicação com tela LCD de 32". Este último permite com que o modelo se transforme em uma unidade de comando para equipes de resgate.

Segundo a montadora nipônica, relatório publicado em 2016 por uma organização sem fins lucrativos ligada a funcionários do setor de energia norte-americano, veículos elétricos podem ser peças importantes em situações extremas.

Nissan Re Leaf (1)
icon photo
Legenda: Nissan Re-Leaf pode virar uma unidade de comando para socorros e emergências
Crédito: Divulgação
Comentários