Audi A1 é lançado no Brasil de olho no MINI Cooper

Compacto alemão chega às lojas por R$ 90 mil repetindo receita de outros Audi, mas em embalagem menor
  1. Home
  2. Lançamentos
  3. Audi A1 é lançado no Brasil de olho no MINI Cooper
Rodrigo Ribeiro
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– Jandira - SP - Lançado oficialmente no Brasil neste mês, o Audi A1 tem expectativas inversamente proporcionais ao seu tamanho. Com 3,95 m de comprimento, o compacto chega ao País para quase dobrar as vendas da Audi. Segundo o presidente da marca no País, Paulo Kakinoff, a meta é que o A1 responda por quase 40% das vendas da marca em 2011, estimadas em 6.500 unidades.

Na ponta do lápis e excluindo os 600 A1 já vendidos durante a pré-venda no Salão do Automóvel de São Paulo, o objetivo da Audi é vender neste ano 2.000 A1. O índice é superior aos 1.635 MINI Copper vendidos no País em 2010, segundo dados da Fenabrave. O compacto produzido pela BMW é o principal rival do mais barato dos Audi.

Mini-Audi
Bem, o termo correto talvez fosse “menos caro”. Isso porque os R$ 90 mil pedidos pelo A1 elevam o termo compacto Premium ao extremo. A ideia é que esse seja o Audi dos jovens endinheirados que normalmente comprariam o Cooper. Por isso o “mini-Audi” chega ao País em versão única, com motor 1,4L turbo de 122 cv e câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas. Direção eletrohidráulica, ar-condicionado analógico, trio elétrico, ABS, controle de estabilidade e seis airbags são de série.

Todo esse recheio é bem acabado, com forrações e peças com espaços uniformes. O plástico é reduzido ao mínimo necessário na cabine, que conta com painel emborrachado e apliques ao redor dos difusores de ar. Mas dentro do A1 ainda bate o coração de Polo: a boa tela de cristal líquido no centro do painel não é retrátil, exigindo que o motorista abra e a feche manualmente.

Outras ausências são opcionais – literalmente. Sensor de estacionamento traseiro, crepuscular e de chuva são oferecidos à parte, assim como o banco com ajuste de altura. O A1 também pode ser equipado com o prático sistema start-stop que desliga o motor durante paradas superiores a 3 segundos, teto-solar, ar-condicionado digital, som Premium Bose e partida através de um botão. A lista de acessórios estéticos é mais extensa e diretamente inspirada nos Cooper. Do arco que liga as colunas A e C ao plástico ao redor dos difusores de ar, quase tudo pode ganhar cor ou adesivos.

Para divulgar o A1 a Audi preparou dois tipos de test-drive para o modelo: um na estrada, que incluía uma sinuosa serra, e outro dentro de um kartódromo. Não à toa, ambos os lugares permitiam explorar toda a dinâmica do novo Audi. Além do refinado acerto de suspensão e direção, o A1 tem entre seus principais destaque o motor – que tem um parente aqui no Brasil.

Primo da Kombi
Não é só na cilindrada que o 1,4L TFSI do A1 é igual ao bloco usado no veterano utilitário. Apesar do cabeçote, injeção e até material de construção ser diferente ferro fundido na Kombi, alumínio no A1, a arquitetura dos blocos é similar. Mas o parentesco está longe de prejudicar o premiado motor do Audi. Com 122 cv contra 78 cv da Kombi, o propulsor do A1 supera até o 2,0L que equipa o Jetta.

Associado a ele está a já consagrada transmissão automatizada de dupla embreagem. Com sete velocidades, a S-Tronic associa acelerações empolgantes 0 a 100 km/h em 8,9 s a um consumo invejável, de 15,4 km/l na cidade e 21,7 km/l na estrada, segundo a Audi. O amplo leque de relações aproveita melhor os 20,4 kgfm de torque enquanto reduz a rotação do motor na estrada a meros 2.200 rpm a 120 km/h.

As quase imperceptíveis trocas de marcha podem ser feitas através da manopla do câmbio ou pelas borboletas no volante firme e com relações diretas. Como seu rival anglo-germânico, o A1 gosta é de virar, mas surpreende menos do que o Cooper. No limite o hatch sai de frente de maneira previsível – escapadas de traseira, só com muito esforço e controle de estabilidade desligado. Assentado, o Audi aproveita uma boa plataforma associada à injustiçada suspensão traseira por eixo de torção. Tudo isso é assentado em pneus 215/45 R16.

Na balança, a disputa dos mini-alemães mostra-se acirrada e justa. Cada um com suas próprias particularidades, Audi e BMW MINI querem ganhar as garagens que já guardam um A4 ou um Série 3. Com sangue inglês, o Cooper aposta na tradição e no estilo über chick, ao contrário do A1, que reforça o estilo malvado de ser dos Audi atuais, no desenho e no desempenho. Mas, apesar de seguirem linhas diferentes, Cooper e A1 cumprem com o que prometem: diversão ao volante em embalagem compacta.

Test-drive feito a convite da Audi do Brasil

Twitter
_________________

Gosta de hatches nervosos?

Então veja aqui no WebMotors as melhores ofertas para esse segmento:

MINI Cooper

VW Golf VR6

VW Golf GTI

Citroën C4

Fiat Stilo Abarth

Honda Civic VTI

Alfa Romeo 145 Quadrifoglio

Audi A3 1.8 T

Peugeot 306 S16

Citroën Xsara VTS

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors