Novo Duster: o que melhorou e o que continua ruim

Veja, ponto a ponto, no que o renovado SUV da Renault evoluiu e os aspectos em que o modelo precisa melhorar

  1. Home
  2. Lançamentos
  3. Novo Duster: o que melhorou e o que continua ruim
Fernando Miragaya
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Você já viu aqui no WM1 que o novo Duster chegou bastante mudado, com visual moderno, o mesmo porte robusto e mais equipamentos. Porém, continua com alguns pontos críticos. Veja no que o SUV da Renault melhorou, em que manteve seus predicados e quais pontos precisam evoluir.

No que melhorou

Conforto

Os bancos e encostos são novos. Têm densidade melhor e abas mais firmes, que seguram bem o corpo. A nova calibragem da suspensão também se mostrou bem firme para trechos de terra. E na cidade não sacode os ocupantes em buracos ou quebra-molas.

Detalhe do banco do novo Renault Duster 2021 10
icon photo
Legenda: Bancos do novo Duster estão com melhor densidade e abas laterais mais firmes
Crédito: Divulgação

Conectividade

A central multimídia EasyLink é bem intuitiva e está melhor posicionada do que no Duster anterior, que usava a Media Nav, mais abaixo no painel. Tem comandos de fácil acesso e visualização, apesar de exigir certo esforço dos dedos para responder.

Pena que só esteja disponível a partir da intermediária Intense, de R$ 83.490. Nas Zen, faz parte de um pacote que custa R$ 3 mil, junto com limitador de velocidade, rodas de liga leve aro 16" e faróis de neblina.

Detalhes no acabamento

O tecido nas portas e os materiais usados nas molduras das saídas de ar deram uma suavizada no sempre controverso acabamento do SUV. O volante recebe couro só a partir da versão Intense, que custa R$ 83.490.

Desenho

Beleza nunca foi o forte do Duster, mas a Renault tem se esforçado para deixá-lo mais harmonioso. A grade cromada com nichos de losangos retangulares, os faróis novos com assinaturas de Leds e as lanternas a lá Jeep Renegade deixaram o robusto SUV bem mais moderninho.

Duster marrom de frente em uma vegetação seca e um morro atrás
icon photo
Legenda: Design do SUV da Renault melhorou bastante: todas as peças externas foram mudadas
Crédito: Divulgação

O que manteve de bom

Espaço

Nisso o Duster continua imbatível, com seu espaço de modelo médio. Todos os cinco ocupantes têm folgas para pernas, joelhos e ombros e o Banco traseiro acomoda três adultos normais. O porta-malas de 473 litros continua como o maior da categoria de SUVs compactos.

Custo/benefício

O novo Duster manteve os preços da linha anterior e ganhou novos equipamentos, como controles de estabilidade, tração e subida, chave tipo canivete e start/stop. Com espaço generoso, acaba sendo uma opção mais atraente que as versões similares de Ford EcoSport, Chery Tiggo2 e Nissan Kicks na maior parte do tempo.

Novo Renault Duster em movimento fazendo curva para a esquerda em estrada de terra levatnadndo um pouco de poeira e um externso gramado e colinas ao fundo
icon photo
Legenda: Porte robusto permite ao novo Duster pequenas aventuras fora do asfalto
Crédito: Divulgação

Robustez

O SUV da Renault não é um off-road e até perdeu a versão 4x4. Só que sua altura do solo de 23,7 cm e ângulos de entrada e saída (30 e 34 graus) o permitem trafegar mais à vontade em trechos esburacados de terra do que seus rivais.

O que precisa melhorar

Desempenho

O 1.6 SCe de até 120 cv é fraco para o peso do Duster. Isso fica ainda mais evidente nas arrancadas e retomadas. Você pisa e o motor demora a pegar embalo e abaixo das 3.000 rpm há pouco torque disponível para ultrapassagens ou trechos de subida.

Novo Renault Duster de traseira em movimento na estrada com um arco-íris no horizonte da rodovia
icon photo
Legenda: Renault Duster carece de mais força do motor e desempenho mais convincente

O câmbio CVT não ajuda em nada. Pelo contrário. Segura demais os giros e tem aquele comportamento de enceradeira com barulho de liquidificador. Que o 1.3 turbo com mais de 130 cv  - que abordamos nesta nota - e bom torque em baixa chegue logo.

Segurança

Ok, o Duster ganhou controles de estabilidade e tração e assistente à partida em rampas. Mas onde estão os airbags a mais, dona Renault?

O Duster vem só com as bolsas frontais obrigatórias, enquanto os novos Sandero e Logan, mais baratos já oferecem seis airbags. Além disso, a rigidez da carroceria melhorou em 13%, segundo a marca, mas o modelo ainda oscila em curvas mais fechadas.

Posição de dirigir e ergonomia

O banco está mais confortável, o volante ganhou ajuste de profundidade, só que a posição do motorista ainda continua esquisita. O ângulo da direção em relação aos bancos e pedais faz parecer que o condutor está abraçando um urso enquanto dirige.

icon photo
Legenda: Há tecido nas portas, mas ergonomia e posição de dirigir precisam melhorar ainda
Crédito: Divulgação

A ergonomia também não ajuda. Faltam porta-objetos mais práticos no novo console central. Os comandos de trava, pisca-alerta e outros agora estão posicionados abaixo da tela da central, mas são pequenos e difíceis de enxergar.

Tecnologia

O utilitário esportivo até oferece alerta de ponto cego e câmera 360 graus. Contudo, só na versão mais cara, a Iconic, de R$ 87.490. Também faltam algumas bossas semi-autônomas que alguns concorrentes já têm. Controle de cruzeiro adaptativo, frenagem de emergência automática, Park Assist e monitoramento de faixa seriam bem-vindos.

Veja as primeiras impressões ao volante do novo Duster

 

Comentários