Ford Mustang 1966 - ele inaugurou o segmento dos pony cars

A história promissora do modelo surgiu com o vice-presidente da Ford na ocasião, Lee Iacocca
  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. Ford Mustang 1966 - ele inaugurou o segmento dos pony cars
Antigo Motors
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- O proprietário dessa maravilha vermelha diz que ter um Mustang da primeira geração “é o sonho de consumo de qualquer garoto na década de 1970”. Para o restante dos garotos de qualquer idade o sonho continua. Mesmo para quem já tem um na garagem. Quando o Portal Antigo Motors chegou para fazer a matéria com este carro antigo, o ronco do motor já anunciava os cavalos que viriam, bastou ligar o clássico.

A história promissora do modelo surgiu com o vice-presidente da Ford na ocasião, Lee Iacocca. Um engenheiro que se tornou vendedor e teve uma carreira meteórica de grande respeito. Unindo o útil ao agradável, que seriam pesquisas ao seu feeling de mercado, apresentou ao consumidor norte-americano um carro esportivo pequeno onde o comprador pudesse apimentar o veículo conforme seu bolso.

Inaugurou o segmento de “pony cars” e de quebra conquistou novos recordes de venda. Embora Mustang seja uma raça selvagem de cavalos, o nome do veículo surgiu do caça da 2a Guerra Mundial, o P-51 Mustang.

As estratégias de venda e publicidade foram agressivas, que aliadas ao bom produto, o sucesso tornou-se consequência. Foi pensado para atingir uma faixa intermediária de consumidores, mas até estrelas de Hollywood tiveram seus exemplares. À disposição duas opções de motor: um V6 e um V8, este último vendia mais que o dobro. Utilizando componentes do Ford Falcon para manter os custos baixos, alguns consideravam uma honesta pechincha.

O exemplar que o Portal Antigo Motors teve o prazer de registrar é de 1966, com mínimas cicatrizes que um senhor robusto como este pode ostentar. “Se mexer, perde a integridade do carro”, defende o proprietário. E com razão. Desde que foi importado é o segundo dono e em suas mãos não precisou passar por nenhuma restauração. “É um carro bastante íntegro”, define.

Transformado em GT 500, é considerado o clássico dos Mustangs, exemplar com câmbio de cinco marchas originais no assoalho, ignição Malory e interior preservado. Sua carroceria é hard top, justamente a que seu dono procurou ao longo de 5 anos, com aquele desenho sem coluna lateral entre os vidros e que serviu de inspiração para a concepção de outros automóveis.

Antes de esse veículo descer o Atlântico, recebeu scoop dianteiro e lateral, acessórios de época. “Todas as modificações são americanas, quem o importou já comprou pronto”, descreve. As alterações não garantem melhor desempenho, mas contribuem na beleza agressiva que o carro esbanja, reforçada pelas faixas creme. Para completar, rodas Magnum e pneus Cooper Cobra.

O lançamento oficial do modelo aconteceu em abril de 1964, depois de alguns anos em testes de desempenho e estilo. “O mercado estadunidense saía da época dos grandes carros e os muscle cars estavam em alta. A proposta Mustang é menor, embora haja quem o compare com estes esportivos”, conta pesquisadora do Portal Antigo Motors.

A sensação de dirigi-lo é bem descrita pelo proprietário, “A tocada dele é totalmente diferente dos parâmetros de hoje, há 150 km/h a direção já fica bamba. É preciso ter cautela ao dirigir”. Sua fama esportiva foi reforçada nas pistas e em filmes como Bullit, com a sequência de perseguição de 8 minutos, realmente pilotada pelo astro Steve McQueen. “É muito forte, ligeiro. Não é fácil de dirigir”, diz.

O momento da compra foi algo mágico como geralmente os bons encontros são. “O rapaz levantou a capa e só vi parte do carro, mas já era o suficiente. Falei: É meu, nem precisa mostrar mais”. Quando se trata de realizar sonhos, depois de concretiza-los, é preciso cuidar. “Não é para uso constante, é para de vez em quando tirar um barato”, confirma.

Conforme apuração da equipe do Portal Antigo Motors , a primeira geração do modelo vai até 1973, quando as leis antipoluição foram impostas. A segunda geração, de 1974 a 1978, apresenta veículos maiores e pesados, em plena crise do petróleo. Volta a ser fabricado, com proposta moderna em 1993, numa edição especial. A terceira geração então surge em 1994 e permanece até 2004, quando a quinta geração passa a ser fabricada em 2005 e permanece até os dias atuais. No decorrer dos anos outras versões limitadas foram comercializadas, mas em todas as edições a frente foi mantida.

Agradecimentos a Marcos Balsamão e Marcelo Paolillo.


Para baixar mais fotos exclusivas deste incrível exemplar, acesse a página do Antigo Motors:antigomotors.com.br.

As opiniões expressas nesta matéria são de responsabilidade de seu autor e não refletem, necessariamente, a opinião do site WebMotors

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors