Golf GTI é um dos melhores esportivos do Brasil

Hatch ostenta 220 cv de potência, mas peca no preço assim como a versão Highline
  1. Home
  2. Vídeos
  3. Golf GTI é um dos melhores esportivos do Brasil
Ricardo Sant'Anna
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon


Um carro que chegou para ser referência no segmento, assim podemos definir a sétima geração do Golf. Importado da Alemanha desde o final do ano passado, o Volkswagen chegou a liderar o segmento de hatches médios, e hoje está na segunda posição - o Golf emplacou 9.269 unidades contra 10.866 unidades do Focus no primeiro semestre de 2014, segundo dados da Fenabrave.


Nós já havíamos andado na versão Highline durante o lançamento no ano passado — você pode ler o teste clicando aqui. Agora é a vez de conhecer mais a fundo a versão esportiva GTI, oferecida entre R$ 98.990 e R$ 135.720. Quer comparar um com o outro? Então assista ao vídeo produzido pelo WebMotors que coloca lada a lado as versões mais vendidas do hatch.


Assista ao teste do WebMotors com os Golf Highline e GTI




O Golf GTI traz sob o capô um dos motores mais bem acertados da família TSI da Volkswagen. Trata-se do 2.0 turbo, que rende 220 cv de potência a 4.500 rpm e 35,7 kgfm de torque disponíveis logo a 1.500 rpm. É ele o principal responsável pelo desempenho tão empolgado do hatch médio. Segundo a Volkswagen, o GTI acelera de 0 a 100 km/h em apenas 6,5 segundos, tempo bastante relevante para um hatch, visto que números assim só eram atingidos há pouco tempo por cupês e esportivos genuínos.


O hot hatch também traz a transmissão automatizada DSG, mas com apenas 6 marchas e não 7 como na versão Highline. A ideia é realmente focar na esportividade, que dá resultado. O câmbio oferece ainda a possibilidade de troca de marchas pela alavanca e também por borboletas atrás do volante, que tornam a missão de guiar o Golf GTI ainda mais divertida.


Basta pisar fundo que o GTI responda com uma certa dose de violência, e das mais divertidas possíveis. Não é difícil grudar nos confortáveis bancos revestidos em couro, com direito a costura nas cores vermelhas. Há ainda pouquíssimas unidades importadas com revestimento xadrez nos bancos, muito comum na Europa e deixado de lado pela Volkswagen do Brasil.


Mas nem só de motor é feito o Golf GTI. Para ter um desempenho bem diferente em relação à versão convencional, a montadora tratou de adotar nova suspensão e freios no esportivo. A suspensão é ligeiramente mais firme que a do Highline, e mais parecida com a do Fusca, outro modelo quase tão esportivo quanto o Golf GTI. Com isso, o Golf se torna muito mais firme nas curvas e um belo brinquedo para pegar a estrada. A contrapartida fica por conta do desconforto em alguns pontos da cidade, sobretudo os mais esburacados. Os ocupantes sentem bastante os impactos.


Os freios, por sua vez, fazem um ótimo trabalho quando exigidos. Além da função visual, já que são maiores que os do Highline, eles tratam de “travar” muito bem o GTI. As diferenças visuais do GTI estão ainda no friso vermelho que passa sobre os faróis e a grade, além de para-choques e rodas com desenho diferente. O jogo de 17 polegadas calçadas com pneus 225/45 poderia ter um desenho mais agressivo, como no modelo vendido na Europa, que conta com opções de 18 e 19 polegadas.


No geral, o Golf GTI repete alguns pecados cometidos pela versão Highline, como o menor porta-malas da categoria, com apenas 313 litros, e o alto preço das versões mais equipadas. Se oferece um bom custo/benefício na versão de entrada próxima dos R$ 99 mil, preço que a Honda cobrava pelo Civic Si, a Volkswagen exagera na dose da versão topo de linha, acima dos R$ 135 mil. Esta traz teto-solar, navegador com tela de 8 polegadas, sistema ACC que controla a distância entre outros carros da estrada, entre outros itens. A diversão, porém, é garantida. 

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors